terça-feira, 8 de maio de 2018

Prevendo guerra com Irã, Israel entra em “alerta máximo”

Prevendo guerra com Irã, Israel entra em “alerta máximo”

Defesa antiaérea síria interceptou mísseis israelenses perto de Damasco

Ataques na SíriaHoras depois do anúncio de que os EUA estão se retirando do acordo nuclear com o Irã, Israel entrou em “alerta máximo” por detectar “atividades irregulares” de forças iranianas na Síria. As Forças de Defesa de Israel (IDF) anunciaram que seu escudo antiaéreo nas Colinas de Golã e os abrigos antibombas estão preparados para um possível ataque, anunciou a mídia israelense.



Segundo o anúncio oficial, “Os sistemas de defesa foram armados e as tropas IDF estão em alerta máximo para um ataque”. Além disso, o governo de Israel afirma estar preparado “para vários cenários” e advertiu que “qualquer agressão contra Israel terá uma resposta severa”.
A decisão das autoridades israelenses ocorre como medida preventiva, já que Teerã havia anunciado que iria retaliar contra Israel, caso os EUA impusessem novas sanções econômicas.
Desde o ataque aéreo contra a base aérea Tiyas (T-4), perto da cidade de Homs, que matou pelo menos sete soldados iranianos em 9 de abril, a tensão cresceu na região. Irã, Síria e Rússia responsabilizaram Israel, que não reconheceu sua autoria.
Após a ofensiva, o representante do líder supremo do Irã na Força Quds da Guarda Revolucionária Iraniana, Ali Shirazi, mandou um recado: “Israel deve ter cuidado com seu comportamento se quiser existir mais do que alguns dias” e ameaçou Tel Aviv e Haifa.Ataque preventivo
Na noite desta terça-feira (8) Forças Armadas sírias interceptaram dois mísseis israelenses, disparados contra uma instalação militar em Damasco, noticiou a agência oficial síria Sana.
O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) informa que os mísseis visavam “um depósito de armas das milícias iranianas ou do Hezbollah libanês”.
Como de costume, Israel não comentou o ataque, mas analistas acreditam que seja um ataque preventivo, algo que o primeiro-ministro Benjamin Natanyahu alertou que poderia ocorrer. Com informações de Times of Israel