“A RESSURREIÇÃO DE CRISTO”


Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério Filadélfia de Jesus

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

LIÇÃO 11 - DIA 14/06/2009

TÍTULO: “A RESSURREIÇÃO DE CRISTO”

TEXTO ÁUREO - I Cor 15:20

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: I Cor 15:1-10

I-INTRODUÇÃO:

Mc 16.4,5 - Esta foi a maior descoberta de todos os tempos: o túmulo de Jesus vazio! Durante os dias em que Jesus esteve sepultado, Seus discípulos também estiveram sepultados na tristeza, na dúvida, no sentimento de derrota, e na incredulidade. Tudo isso e muito mais continuaria a escravizar a humanidade se Jesus não tivesse ressuscitado.

II - O QUE É RESSURREIÇÃO:

Sentido original - “tornar à vida”, “levantar-se”, “erguer-se”, “despertar”, “acordar”.

Sentido doutrinário - Ressur­reição é a outorga da vida ao que ha­via se extinguido fisicamente. É o ato do levantamento daquilo que havia estado no sepulcro.

Exemplos de ressurreições no A.T.:

O filho da mulher sunamita (2 Rs 4.32-37). Há um caso posterior mais im­pressionante: O profeta Eliseu já ha­via morrido e sido sepultado; um grupo de moabitas, para fugir de uma perseguição inimiga, lançou o seu morto na cova onde estava os restos mortais de Eliseu. Ao tocar os ossos do profeta, o morto reviveu e se levantou sobre seus pés (2 Rs 13:20-21). Exemplos de ressurreições no N.T.:

a filha de Jairo (Mt 9.24,25); o filho de uma viúva de Naim (Lc 7:l3-15); Lázaro (Jo 11.43,44); Jesus (Lc 24.6); alguns corpos de santos, que foram vistos em Jeru­salém (Mt 27.52,53). Mais tarde, entre os apóstolos, Pedro orou ao Senhor e fez reviver a Dorcas (At 9.37,40,41).

OBS: Os exemplos acima NÃO ERAM RESSURREIÇÕES EM TODO O SENTIDO DA PALAVRA, PORQUE AQUELAS PESSOAS TIVERAM QUE MORRER NOVAMENTE.

PODEMOS CLASSIFICÁ-LAS MAIS PROPRIAMENTE COMO CURAS DO MAIS ALTO GRAU. A ressurreição, pois, não é a continuação da existência do espírito após a morte. Nem é somente o ato de o corpo reviver. O corpo ressuscitado tem poderes diferentes. Pode transportar-se rapidamente de um local para outro; traspassar obstáculos materiais que o corpo mortal não pode fazer. O corpo glorificado de Cristo traspassou os panos em que foi sepultado e as paredes do túmulo, deixando ali as faixas e o lenço com que Lhe envolveram o corpo. O Corpo de Cristo ressuscitado é o modelo e o penhor dos corpos dos Seus servos que um dia irão ressuscitar, porque Jesus é as primícias; Ele foi levantado para a imortalidade (Rm 6:9 cf Lc 24:39; I Cor 15:23, 43, 48-50; I Jo 3:2; Fp 2:20-21).

III. PROVAS DA RESSURREI­ÇÃO DE CRISTO:
1. Provas incontestáveis.

Lucas escreve que, aos discípulos, “depois de ter padecido, [Jesus] se apresen­tou vivo, com muitas provas incon­testáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias” (At 1.3). Aos dois discípulos, no caminho de Emaús, Ele falou de suaressurreição, ao afirmar que se cumpriram as predições, e, “então lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras” (Lc 24.45).

2. O testemunho dos anjos às mulheres - (Lc 24.4-7).

3. O testemunho de Maria Madalena. João registra a chegada de Maria Madalena ao túmulo vazio e o seu diálogo com os dois anjos, que lhe certificaram da ressurreição do Senhor e que, logo após, viu Jesus em pé, o qual falou com ela (Jo 20.11-18).

4. Jesus, ressuscitado, apare­ceu várias vezes aos discípulos. Du­rante os quarenta dias que antecede­ram a sua ascensão, o Senhor Jesus apareceu aos seus discípulos em dez ocasiões, sendo as cinco primeiras no dia da ressurreição. O Dr. Scofield expõe isto na seguinte ordem:

A) a Maria Madalena (Mc 16.9-11);

B) às mulheres que voltavam da sepultura com a mensagem do anjo (Mt 28.8-10);

C) a Pedro, provavelmente à tarde (Lc 24.34; l Co 15.5);

D) Aos discípulos, no caminho de Emaús, à tarde (Mc l6.12,13;Lc 24.13-32);

E) aos discípulos, na ausência de Tomé (Mc 16.14; Jo 20.19-25);

F) no domingo seguinte, à noite, na presença de Tomé presente (Jo 20.26-29); G) aos sete, junto ao mar da Galiléia (Jo 21.4-14);

H) aos apóstolos e a mais de 500 irmãos (Mt 28.16-20; I Co l5.6);

I) a Tiago (l Co 15.7); e J) seu último aparecimento registrado em sua ascensão no monte das Oliveiras (Lc 24.44-53; At 1.3-12).

5. O túmulo vazio. Se os inimigos tivessem levado o corpo de Jesus, eles o teriam destruído e nunca mais seria visto por alguém, como aconte­ceu várias vezes. Se os discípulos tivessem roubado o corpo do Mestre, não sacrificariam seus bens e suas vidas pela causa do Evangelho, pois pregariam uma mentira. O túmulo vazio revela que Jesus ressuscitou e é verdadeiramente o Filho de Deus (Rm l.4).

6. O poder, a alegria e a devoção da Igreja. Estas qualidades existentes na Igreja primitiva constituem provas reais da ressurreição de Jesus. Se Ele não houvesse ressuscitado, não fosse visto pelos discípulos e nem tivesse falado com eles, estariam tristes, desapontados, escondidos, como procederam antes de vê-lo ressuscitado.

7. Os escritos do Novo Testamento. O Novo Testamento foi escrito por homens capazes de sacrificar suas vidas pela verdade e a justiça ensinadas por Jesus. Eles jamais escreveriam acerca de Cristo e seus ensinos, se Ele tivesse terminado sua missão em morte e desilusão (l Co 15.12-19).

8. O batismo no Espírito Santo. O batismo no Espírito Santo e as manifestações sobrenaturais na Igreja, constituem provas irrefutáveis da ressurreição de Cristo. Jesus falou da vinda do Espírito, em plenitude, logo após sua glorificação (Jo 7.38,39). Pedro, no dia de Pentecoste, disse que Jesus fora exaltado à destra do Pai, e derramara o Poder do Alto sobre os discípulos (At 2.32,33). O Espírito Santo não teria descido no dia de Pentecoste, se Cristo não houvesse ressuscitado e subido ao Céu.

9. A regeneração dos que crêem em Cristo. Se Cristo não tivesse ressuscitado, o Cristianismo seria apenas uma das muitas religiões, sem algum poder regenerador. Milhares de pessoas transformadas, regeneradas e salvas são provas autênticas de que Cristo voltou para o céu e enviou-nos o Espírito regenerador (Tt 3:5).

IV - EFEITOS IMEDIATOS DA RESSURREIÇÃO:

1. Trouxe alegria aos tristes - Maria Madalena chorava, ao pensar que Jesus falecera. A simples expectativa de um Cristo morto lhes trazia tristeza; porém, tinham maior angústia, ao imagina-Lo defunto. (Jo 20.20).

2. Alertou a fé dos discípulos. Entre os duvidosos, Tomé parecia ser o mais incrédulo; mas, diante da real manifestação de Cristo ressuscitado, foi o primeiro a confessar: “Senhor meu, e Deus meu!” (Jo 20.28). Todos seriam esmagados pelas dúvidas e perplexidades, incertezas e desapontamentos, se Jesus não houvesse ressuscitado. Quanto a nós, não venceríamos as nossas dúvidas, se o corpo de Jesus continuasse no túmulo, ou tivesse sido roubado.

3. Mudou o rumo da vida dos discípulos. Entre a morte e a primeira aparição de Cristo ressuscitado, muitos pensamentos negativos e pessimistas dominaram as mentes dos discípulos, que já se afastavam de Jerusalém, ao parecer-lhes terem abraçado uma causa perdida. Dois deles iam para Emaús, provavelmente ao retorno de suas atividades comuns. No entanto, ao ouvirem as palavras de Cristo ressuscitado, mudaram de idéia (Lc 24:31-35).

a) Tiveram seus olhos abertos, para reconhecerem a Jesus (v.31);

b) Seus corações,frios e insensí­veis, tornaram-se ardentes (v.32);

c) Ao invés de permanecerem em Emaús, voltaram a Jerusalém, para testemunharem da ressurreição de Cristo aos discípulos e ao mundo, posteriormente.

A certeza da ressur­reição de Cristo nos anima a cumprir a nossa missão de testemunhar esta verdade.

V - EFEITOS REDENTIVOS DA RESSURREIÇÃO DE CRISTO:

Os efeitos da ressurreição de Cris­to são experimentados e vividos por aqueles que nele crêem como Salva­dor pessoal.

1. Separa o pecador dos seus pecados (At 3.26). Em Jesus cum­priu-se o predito pelo salmista: “Pois quanto o céu se alteia acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem. Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgres­sões” (SI 103.11,12). LeiaMiquéias 7.18,19.

2. Constrange-nos a pensar nas coisas lá do alto (Cl 3.1). Pensar nas coisas do Céu é um eficiente método de comunicar-se com Deus. Em nós estão os meios de contato com o Senhor ou com o Diabo, com o Céu ou com o Inferno. Porque cremos em Cristo, que ressuscitou e está à direita do Pai, onde intercede por nós, torna-se possível ocuparmos o nosso pensamento em “tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável” (Fp 4.8); porque a nossa vida está escondida com Cristo, em Deus (Cl 3.3).

3. Cristo, ressuscitado, tornou-se as primícias dos que dormem (l Co 15.20). O termo primícias tem relação com a ordem dos grupos que compõem a primeira ressurreição. Paulo explica isto ao escrever: “Cristo, as primícias; depois os que são de Cristo, na sua vida (l Co 15.23).

4. A ressurreição de Cristo e a vida nova. Como efeito da ressurreição de Cristo, ressuscitamos espiritualmente para uma vida nova (Rm 6.5-11). Portanto, a ressurreição de nosso Senhor não significa que o Jesus humano tornou-se apenas um personagem da história passada, e, sim, que existe, como sua consequência, a extensão da palavra e da obra de Jesus em nossas vidas atualmente.

5. A ressurreição de Cristo é a garantia da nossa justificação.

“Aquele que foi entregue por nossos pecados, ressuscitou para a nossa justificação” (Rm 4.25).

6. A ressurreição de Cristo é a certeza da nossa também.

Como efeito da ressurreição de Cristo, ressuscitaremos em corpos incorruptíveis e imortais (l Co 15.50-53).

Seremos semelhantes a Ele (l Jo 3.2), nos céus, em corpo idêntico ao de sua glória (Fp 3:20-21).

VI - CONSIDERAÇÕES FINAIS: A RESSURREIÇÃO DE JESUS…

1) Foi efetuada pelo poder de Deus (At 2:24; 3:15; Rm 8:11; Ef 1:20; Cl 2:12);

2) Foi efetuada pelo Seu próprio poder (Jo 2:19; 10:18);

3) Foi efetuada pelo poder do Espírito Santo (I Pe 3:18);

4) Foi efetuada no primeiro dia da semana (Mc 16:9);

5) Foi efetuada no terceiro dia após Sua morte (Lc 24:46; Mt 10:40; I Cor 15:4)



FONTES DE CONSULTA: · Lições Bíblicas CPAD

2º trimestre de 1990

COMENTARISTA - GEZIEL NUNES GOMES ·

Lições Bíblicas CPAD - 2º Trimestre de 1985

comentarista: Antônio Gilberto ·

Espada Cortante - Vol. II - CPAD - Orlando Boyer

Copilado por: Presbítero Misael Ferreira

EBD-Filadélfia de Jesus

P. Sul-Ceil.-DF
Um forte abraço , Presbítero Misael Ferreira.